PORQUE USAR A HIDROPONIA?

Considerando um solo agricultável normal, é muito difícil manejá-lo, de forma que as plantas nele cultivadas consigam no mesmo os alimentos que lhes são necessários.

Mesmo fertilizando êsse solo corretamente, os alimentos necessários às plantas são dele desviados pelas águas da chuva ou da irrigação artificial, perdendo-se para áreas superficiais não utilizáveis, para cursos de água, e mesmo para o sub-solo, atingindo até os lençóis freáticos.

A ação das águas sôbre o solo, causa enormes perdas de fertilizantes adicionados a ele, além de desequilibrar sua constituição química.

Além disso, o solo não existe sòmente para o benefício das plantas.

Ele também é o "habitat" de um sem número de seres vivos minúsculos, como larvas e insectos, bem como milhões de bactérias, sendo estas tanto saprófitas quanto patogénicas.

Larvas e insectos também saem do solo, e se alimentam das plantas que nele existirem, algumas constituindo muitas pragas que às vezes dizimam lavouras inteiras.

As bactérias, também se deslocam do solo para as plantas, nelas se alojando, e delas também se alimentando, direta ou indiretamente.

Porém, as bactérias patogénicas alimentam-se de matérias orgânicas de seres ainda vivos, e constituem a maior parte das doenças que afetam o ser humano e outros seres, neles se incluindo as plantas.

Felizmente para nós, a Natureza é pródiga, e mantém um equilíbrio perfeito entre os seres vivos.

E neste equilíbrio, as bactérias patogénicas são mantidas em minoria, ficando sua ação dominada pela maioria das bactérias saprófitas.

Quando, de alguma forma, esse equilíbrio é perturbado ou desfeito, podemos ter a dominância de bactérias patogénicas, e a incidência de doenças causadas por elas, nem sempre são de fácil domínio pela medicina.

E lamentàvelmente, o ser humano é especialista em provocar tais desequilíbrios.

Na prática da hidroponia, as plantas não têm contacto com o solo, pelo que ficam isentas da invasão das larvas, insectos e bactérias dele provenientes.

Isto traduz-se na obtenção de plantas de altíssimo nível de sanidade para o seu consumo pelo ser humano.

Por outro lado, os alimentos dados às plantas para o seu desenvolvimento, estarão sempre perfeitamente em equilíbrio com as necessidades das mesmas, pois que não sofrem as perdas devidas à ação das chuvas e da irrigação artificial.

Na hidroponia, o equilíbrio e as quantidades de alimentos fornecidos às plantas, são rìgidamente controlados, e com isso, não há desperdício dos mesmos.

Consequência disso, as plantas desenvolvem-se dentro de um alto nível de salubridade, apresentando os níveis ideais de vitaminas, açúcares e proteinas, que serão sempre muito maiores do que os apresentados pelas plantas cultivadas em solos convencionais.

Embora não seja uma exigência da hidroponia, as culturas levadas a efeito pela sua prática, são feitas dentro de estufas, umas mais, outras menos sofisticadas, de acôrdo com o clima da região onde são instaladas, e mesmo para atender às necessidades das plantas a cultivar.

Consequência disso, por estarem as plantas confinadas, estão muito protegidas contra os ataques de pragas e sujeiras transmitidas pelo ar.

As plantas e frutos hidropónicos são colhidos perfeitamente limpos, e podemos dizer, prontos para consumo, embora sempre seja aconselhável sua higienização, pois que o manuseio das mesmas desde sua colheita até chegarem às mãos do consumidor, sempre proporcionará algum tipo de sujeira ou contaminações, que necessitam ser eliminadas.

Por serem as plantas hidroponicas muito sãs, sua durabilidade após colhidas é muito grande, sendo normal atingirem vida útil de dez a vinte vezes maior do que as plantas oriundas de culturas em solos convencionais.

Muitas plantas, como a alface, são fornecidas aos consumidores com as raizes, e se forem de colheita recente, poderão ser conservadas em casa, num vaso com água, vivas e prontas para consumo quando necessário.

seta